Conhecendo o Pinguim, parte 3: O Slackware

Slackware Logo

A minha saga pelas distros ainda continua no ano de 2008. Eu estava com o Debian instalado e com tudo funcionando perfeitamente até ser bombardeado com o nome de outra distribuição interessante: O Slackware.

Essa distribuição era definida por usuários como sendo “difícil” e seu alvo eram usuários avançados/experts. Como eu sou curioso, baixei e a iso do DVD, queimei e vamos lá!

Preguiça ou intenso aprendizado?

Alguns defendem a ideia de que o termo “slack” vem do inglês significando “preguiça”, dando entender que o Slackware é preguiçoso e você que deve “se virar” para que ele funcione. Faz até sentido. Mas, o Patrick, criador e mantenedor da distribuição, é afiliado da Igreja do Subgênio.

Alguns meses já haviam se passado e eu estava me habituando com o tão temido terminal. Mas apenas me habituando! Não aceitava e nem achava cômodo ainda que algumas coisas fossem feitas por ele. Vou citar um exemplo. Como eu usava KDE, apesar de achar estranho a pronúncia “aportuguesada”, preferia o KGet (caguete?) ao invés de usar o Wget via linha de comandos.

Mesmo assim, cada descoberta era um motivo para continuar buscando mais e mais conhecimento sobre esse Sistema Operacional fantástico. As leituras de meses atrás começavam a ficar bem claras e me ajudaram bastante na instalação do Slackware. A versão, na época, era 12.0. A grande diferença que vi no momento de instalação, é que o instalador precisava de um requisito antes de ser executado: particionamento feito através do fdisk ou cfdisk, sendo que esse último foi mais “intuitivo”. Na seleção de pacotes admito, fui covarde e instalei todas as categorias. Não vi motivos de tentar enxugar a seleção já que eu usaria o KDE mesmo. Perderia muito tempo e poderia ter problemas depois com a falta de alguma lib. Então, em alguns minutos eu estava com o desktop “pronto” para uso:

Slackware KDE

Apesar de estar testando outras distribuições em paralelo, considero o Slackware a minha terceira grande mudança pelo motivo de ser o meu desktop principal. Com isso, eu ficava mais tempo explorando a distribuição. Vendo a captura de tela acima, podemos notar que o KDE é bem semelhantes ao do Debian. Isso porque o no Slackware o KDE está do jeito que ele realmente é!

Lembro que após instalado, o procedimento de instalação do módulo da placa wireless e placa de vídeo da NVidia foi mais simples que no Debian. No Slackware, instalado “full”, os cabeçalhos do kernel e os compiladores já estavam presentes.

O método de inicialização é um pouco diferente porque o Debian utiliza o SystemV enquanto o Slackware segue o padrão BSD, apesar de ter um toque “SystemV” com os runlevels. Comparando superficialmente o SystemV com o estilo BSD de inicialização, posso dizer que é flexibilidade versus simplicidade.

Após alguns ajustes, o Slackware estava funcionando tão bem quanto o Debian. A dor-de-cabeça começou quando precisei instalar algo que estava além do que era distribuido oficialmente. Algumas coisas funcionam bem ao serem instaladas diretamente pelo código-fonte, outras nem tanto. Era muito trabalhoso e passava mais tempo procurando umas libs estranhas do que usando as aplicações para minhas necessidades. Cheguei a utilizar o pacotes alienígenas para instalar o BrOffice.org, por exemplo. Mas, cheguei também a lembrar que alguma coisa no Debian teria de ser instalada ortodoxamente pela linha de comando. Ter um gerenciamento de pacotes como o APT é bastante cômodo, até chegar o momento de precisar instalar algo que não pertença à árvore de pacotes oficiais.

Slackware KDE II

Sim! Isso era meu KDE! Cheguei a ser influenciado pelo GNOME no momento em que decidi utilizar dois painéis.

Algumas coisas no Slackware me assustaram no início. Até pensei que o scroll do meu mouse estava com algum problema. Pesquisei e descobri como superar esses obstáculos. Era divertido, aprendi bastante mas obviamente isso consumia tempo. Acredito que foi meu auge no aprendizado básico de GNU/Linux.

Considero o Slackware uma distro excelente para aprendizado. Fazendo uma analogia com o desenho animado Cavaleiros do Zodíaco, posso até dizer que o Slackware é como a Ilha da Rainha da Morte. Não que seja impossível aprender GNU/Linux com outras distros, mas o Slackware te proporcionará um ambiente favorável para o aprendizado, jogando a todo momento algum obstáculo que pode ser superado com dedicação à leitura. Isso mesmo! Não adianta ficar dando “soco em ponta de faca” e achar que as soluções vão cair do céu.

Ikki, Ave Fenix!

Com o KDE e após plugins, codecs, java e afins instalados e devidamente configurados, o Slackware passa a ser uma excelente distro para o uso de qualquer pessoa, independente do nível de experiência. Afinal, o KDE será a camada de abstração ao invés da distribuição em si!

A Era Minimalista

Como a maioria dos entusiastas, um desktop funcional significa estagnação. Agora com o desafio cumprido e curiosidade em conhecer essa magnífica distro saciada, resolvi conhecer outros ambientes gráficos. O GNOME não me agradou muito e sob recomendações (chantagens e chacotas) de amigos resolvi testar o fluxbox:

Slackware Fluxbox

Como pode perceber, ainda restou uma influência do KDE. Com o tempo eu percebi que devido a diversidade no mundo livre, fica difícil migrar bruscamente, seja entre distribuições ou ambientes gráficos. Tudo é uma questão de costume!

Agora, com esse espaço de tempo me habituando com uma das distribuições Linux mais conceituadas, pude enxergar algumas vantagens e desvantagens entre elas. Dentre elas, a maior vantagem para uma distribuição é o TEMPO que você gastará para resolver algum problema. Se você está gastando mais tempo para resolver algo trivial, isso não chega a ser vantagem, ao menos que seja com objetivo de aprendizado. A outra vantagem é a documentação. Não adianta ficar esperando um samaritano em fóruns ou IRC. No caso do Slackware, a documentação é descentralizada. Existem wikis maravilhosas, como a do Arch Linux, mas o que recomendo sempre é ir no site oficial de determinado projeto e aprender com a própria documentação cedida pelos desenvolvedores ou colaboradores.

E aí? Vai encarar o Slackware?

Geowany Galdino escreveu 45 artigos

Assistente em Tecnologia da Informação na Universidade Federal do Acre. Licenciado em História na mesma instituição.

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado. Os campos com * são obrigatórios

Você pode usar estes tags e atributos HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>